Tipos de terapias integrativas para lidar bem com o câncer

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Os tratamentos integrativos, conhecidos como terapia complementar ou integrativa, podem ser usados por pacientes oncológicos somados aos protocolos médicos regulares e trazem benefícios significativos para o dia a dia, principalmente em caso de mal-estar. Existem estudos que apontam o uso de algumas técnicas para um maior relaxamento, diminuição da tensão, redução da ansiedade e para amenizar a dor, por exemplo.

Veja quais são as técnicas complementares recomendadas pelos médicos:

Acupuntura: estudos mostram alívio de náuseas e dores causadas pela quimioterapia com o uso dessa terapia. A técnica é segura se realizada por profissional autorizado e que use agulhas descartáveis. A acupuntura não é recomendada se o paciente estiver recebendo medicamentos para o afinamento do sangue ou se a contagem das células sanguíneas estiver baixa. É importante verificar com o médico se há liberação para esse tratamento e quais são os profissionais recomendados.

Aromaterapia: utilização de óleos aromáticos traz a sensação de calma ao serem aplicados na pele durante massagem ou em banhos. Os óleos podem estar levemente aquecidos para maior liberação das fragrâncias. A técnica proporciona alívio de náusea, dor e estresse. Pessoas com tendência a alergias de pele precisam estar mais atentas.

Biofeedback: usa a mente para controlar várias funções do corpo, como batimentos cardíacos e fluxo sanguíneo. São utilizados aparelhos para monitorar tensões musculares e frequência cardíaca, por exemplo. Auxilia de forma consistente no controle da dor causada pelo câncer.

Atividade física: exercícios leves e sem impacto, como caminhada e natação, podem aliviar a fadiga e o estresse, e ajudam a dormir melhor. A prática de 30 minutos de atividade física, pelo menos 3 dias na semana, é o recomendado para pacientes em geral.

Hipnose: é um estado profundo de concentração que ajuda a relaxar. A técnica pode prevenir náuseas e vômitos antecipatórios, e se realizada por profissionais qualificados é segura. Pacientes com doença mental pré-diagnosticada precisam de liberação médica para a prática.

Massagem: permite que a tensão muscular e o estresse sejam aliviados, promovendo relaxamento. Também reduz ansiedade, fadiga e estresse. A prática é segura se realizada por profissional qualificado, mas não é indicada para pacientes com a contagem baixa de glóbulos sanguíneos. É importante evitar massagens próximas a cicatrizes cirúrgicas, áreas de tratamento radioterápico ou tumores. Se o câncer estiver nos ossos ou existirem outras doenças ósseas (como osteoporose), utilizar massagem de leve pressão e não profunda.

Meditação: estado de concentração, acompanhadO por uma respiração profunda ou por exercícios de relaxamento. Ajuda pacientes com câncer pelo alivio de ansiedade, dor e estresse. É possível meditar por iniciativa própria, com aplicativos segmentados, ou a partir de aulas com um instrutor.

Musicoterapia: pacientes podem ouvir músicas, tocar instrumentos, cantar ou escrever canções. A musicoterapia pode ajudar a aliviar a dor e controlar náuseas e vômitos. É segura e não requer nenhum talento para participar.

Yoga: combina alongamento com exercícios respiratórios profundos. Durante a sessão, pacientes colocam seus corpos em várias posições – de torções, de inclinações e de alongamentos. Pode aliviar estresse, além de melhorar o sono e reduzir a fadiga. Antes de iniciar a prática, receber recomendação médica, já que algumas posturas precisam ser evitadas.

Arteterapia: une diversas técnicas de arte, como pintura, música e outras técnicas manuais, para recuperação do paciente. Médicos apontam que essa técnica é capaz de melhorar o sistema imunológico dos pacientes. Uma pesquisa recente publicada no “European Journal of Cancer Care”, na Suécia, mostra a melhora significativa da qualidade de vida e da saúde física e psicológica dos pacientes em tratamento de radioterapia, e redução de efeitos colateral. Especialistas afirmam que arte-terapia é uma ferramenta poderosa na reabilitação, por colaborar com a construção de uma autoimagem mais positiva, maior expressão sentimentos, controle sobre a vida pessoal e redução do estresse.

Assim, conhecer a si mesmo, ter conhecimento sobre diferentes alternativas complementares de tratamento e manter a mente aberta pode levar o paciente à reabilitação por um caminho mais sereno.

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade