Montanha-russa de emoções: como os pacientes reagem emocionalmente ao descobrir que têm câncer

Compartilhe

Quando um diagnóstico de câncer chega, imediatamente o controle emocional e mental do paciente e da família são abalados. Neste momento, a pessoa que está com a doença começa a se fazer alguns questionamentos a respeito do motivo pelo qual está passando por esse momento tão indesejado, se sua vida será abreviada rapidamente, se há alternativas para reverter a situação.

Assim, é natural que muitos novos sentimentos surjam e que se tenha dificuldade para lidar com eles, somados à rotina alterada e às possíveis privações. A presença de raiva, depressão, ansiedade, medo, preocupações, angustias, negação e agressividade são comuns entre os pacientes com câncer. Ainda, comumente a insegurança é relatada durante todo o tratamento, porque o que é desconhecido sempre assusta as pessoas.

Mas não são apenas maus pensamentos que surgem nesta jornada. Quando o paciente está fortalecido em sua saúde mental e tem um apoio de amigos e familiares consistente, os sentimentos negativos dão lugar à resignação, autoconfiança, perseverança, autocuidado, fé, gratidão e determinação.

Especialistas afirmam que os primeiros passos de uma perspectiva positiva sobre a doença têm origem na aceitação, reconhecida como uma das peças-chave do quebra-cabeça da vitória contra o câncer. É constatado que, a partir desse momento, o paciente é capaz de planejar a própria vida de um modo mais significativo e construtivo em direção ao sucesso do tratamento. E há casos de pessoas narrando que o câncer contribuiu para uma reavaliação das próprias vidas, passando a conduzi-las de forma mais positiva do que antes mesmo da doença.

Não existem regras ou um manual para lidar com esses sentimentos. Cada indivíduo e cada história são únicos. Não há certo ou errado, mas há aquilo que faz bem ao paciente e ao seu entorno, assim como há o que lhe faz mal e o atrapalha. Por isso, o suporte de um profissional da área da psicologia é tão relevante, visto que ele é capacitado para auxiliar na compreensão desses sentimentos e nas melhores formas de lidar com eles, amenizando o impacto emocional causado.

  • Para você que está vivendo os altos e baixos da doença, valem algumas reflexões:
  • Como você está reagindo diante de tudo isso?
  • Você tem alguém para desabafar?
  • Você tem externalizado os seus sentimentos?
  • Será que você tem descontado a sua raiva em alguém?
  • E a sua fé, como vai?

O papel do psicólogo é de fornecer ao paciente, através da psicoterapia, recursos para lidar com as emoções, trazer reflexões agregadoras e auxiliar a encontrar respostas que farão diferença no seu bem-estar e na maneira que encara a vida, para, enfim, seguir em frente de forma positiva e motivada. Afinal, na maioria dos casos, o câncer é apenas um momento transitório, de aprendizado, elevação do ser humano e coragem – que pode ser superado!

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade