Fevereiro Laranja: mês de prevenção e combate à leucemia

Compartilhe

Para a área da saúde, o mês de fevereiro é marcado pela cor laranja, que simboliza a campanha de conscientização sobre a leucemia e a importância da doação de medula óssea. Criado em 2019, no Brasil, o Fevereiro Laranja alerta sobre a incidência deste tipo de câncer localizado no sangue e a importância do diagnóstico precoce para a cura.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), em 2020, foram aferidos 10,8 mil novos registros de leucemia no País, sendo 5,9 mil em homens e 4,8 mil em mulheres. Em relação a 2019, os números mostram um aumento de 31,8% nos casos, o que significou um total de 7,3 mil diagnósticos naquele período. A pandemia e o decorrente isolamento social ampliaram a dificuldade de diagnóstico de diversos tipos de câncer, o que não foi diferente com a leucemia.

Por isso, o Fevereiro Laranja ganha força neste ano e ressalta a necessidade da população conhecer mais amplamente o tema, os tipos de câncer existentes e seus sintomas. Na leucemia, a principal característica é crescimento rápido e anormal das células do sangue, os chamados leucócitos, que são responsáveis pela defesa do organismo. O diagnóstico é realizado com a coleta de sangue, chamada hemograma, ou por exames na medula óssea, conhecidos como mielograma, imunofenotipagem e cariótipo.

Os sintomas mais característicos são cansaço, hematomas, sangramento nas gengivas e no nariz, anemia, fadiga, inchaço no pescoço, dores nos ossos e nas articulações, febres que podem vir acompanhadas de suores noturnos, perda de peso, aparecimento de manchas rochas ou avermelhadas na pele, palpitações e sensações incômodas na região abdominal.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), existem mais de dez tipos de diferentes e os mais frequentes são a Leucemia Mieloide Aguda (LMA), comum em adultos; a Leucemia Mieloide Crônica (LMC); a Leucemia Linfóide Aguda (LLA), que atinge predominantemente crianças e corresponde a 26% de todos os tumores malignos; e a Leucemia Linfóide Crônica (CLL).

Cada tipo também conta com diferentes tratamentos, que podem ser transfusão de sangue, quimioterapia e transplante de medula óssea. Os protocolos para essa doença têm a intenção de anular as células cancerígenas e retornar à produção das células sadias. Durante o processo é administrada a medicação quimioterápica, há um controle das infecções, das hemorragias e um foco maior no cuidado da doença no Sistema Nervoso Central, o que abrange o cérebro e a medula espinhal.

Após o controle da doença, se necessário, é aconselhável o transplante de medula óssea, que não ocorre por processo cirúrgico e pode ter início com células do próprio paciente (transplante autólogo), ou com as células de um doador (transplante alogênico).

Para a doação, é preciso ir a um hemocentro, retirar cinco ml de sangue e assinar um termo de consentimento da coleta desse material. Os dados do doador são armazenados no banco e se algum dia forem compatíveis com um paciente que necessite do transplante, será chamado pelo hemocentro para fazer mais alguns exames que constatem sua plena saúde. Após essa etapa e confirmada as boas condições para a ação, o doador é internado e, então, é encaminhado para um destes dois processos:

– Pulsão: retirada da medula óssea pelo osso da bacia com uma agulha;
– Aférese: administração de um medicamento para que as células sadias se proliferem e possa ser realizada uma doação de sangue.

A doação é fundamental, pois a cada cem mil pacientes, apenas um doador é compatível. Devido a essa estatística, quanto mais doadores disponíveis, maiores serão as probabilidades de compatibilidade entre as pessoas.

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade