Como gerenciar o estresse durante o tratamento contra o câncer

Compartilhe

‘Estresse’ se tornou uma palavra comum na rotina da sociedade contemporânea e, normalmente, vem associado à inabilidade de lidar com situações complexas. Em um tratamento contra o câncer, o estresse pode ser uma reação permanente do corpo, diante das adversidades enfrentadas pelo paciente. No entanto, quando negligenciado pode enfraquecer o sistema imunológico provocando outros problemas de saúde, diminuindo as sensações de bem-estar e atrapalhando o tratamento. Por isso, é preciso compreender como ele surge, como evitá-lo e gerenciá-lo.

O estresse é uma reação natural do organismo que ocorre diante de perigos ou ameaças. Esse mecanismo coloca um indivíduo em estado de alerta, provocando alterações físicas e emocionais. A reação ao estresse é uma atitude biológica necessária para a adaptação às situações novas. Mas, muitas vezes, essas situações demandam mais do que é possível lidar naquele momento, seja por questões emocionais, psicológicas ou físicas. Esse esforço demasiado sob pressão causa o estresse. Em resposta, o organismo sofre diversas alterações e libera uma série de reações químicas e, consequentemente, fisiológicas.

Assim, diante de um diagnóstico de câncer, o paciente pode se cercar de iniciativas que o auxiliem a evitar reações de estresse mais nocivas. O primeiro passo é compreender a fundo o seu caso e não ficar com dúvidas ou medos infundados. A dica aqui é anotar todas as questões que vierem à mente, desde as mais simples até as mais complexas, todas são válidas, e levá-las para a consulta com o médico. Ao saber o que esperar, a pessoa fica mais preparada para os impactos da doença e poderá planejar estratégias para se sentir melhor. Uma ferramenta interessante nesta etapa é o uso do app Thummi, que permite relatos diários de sentimentos e sintomas, formando um completo diário que pode ser acesso pelo oncologista, facilitando a rotina e ajudando na tomada de decisões.

Outra iniciativa eficiente para evitar o estresse é manter um estilo de vida saudável, cuidando da alimentação, das relações sociais, da saúde física e mental. Este conjunto de ações podem trazer mais energia para o dia a dia e reduzir as más reações do organismo. Para isso, é preciso ingerir alimentos balanceados e manter-se ativo, praticando exercícios adequados, sempre com o acompanhamento de um profissional da saúde. Uma vida saudável também envolve relações interpessoais saudáveis, por isso a importância de cultivar bons relacionamentos e manter uma comunicação ativa com as pessoas, isso ajuda a reduzir os níveis de ansiedade.

Mas o que fazer quando o estresse já faz parte da realidade de alguém? Para gerenciá-lo é fundamental entender os próprios limites e, a partir disso, elencar as tarefas de rotina possíveis, que podem envolver a saúde e o bem-estar, mas também o trabalho, a casa e a família. Concentrar esforços em coisas realmente são possíveis de controlar é um grande trunfo desta etapa. Pessoas que conseguem ser mais flexíveis mantêm o nível de estresse baixo. Às vezes, o único aspecto de um problema possível de controlar é como se reage a ele. A dica aqui é estar sempre de olho em como poupar energia para gastar em situações verdadeiramente importantes e que precisarão de mais vigor e vitalidade. Respirar e inspirar, parar e observar, e, então, agir. O estresse dificilmente sobrevive a alguns segundos de pausa e uma mente preparada para as adversidades.

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade