A importância da tecnologia diante do aumento dos casos de câncer previsto para 2022

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Estudo lançado pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA) mostra o impacto da pandemia no
Brasil para o triênio 2020-2022. Segundo análise, o País terá 625 mil novos casos de câncer a
cada ano, até 2022. Ainda, correlaciona a problemática ao desenvolvimento de fatores de risco
à saúde da população durante a pandemia de Covid-19, como o aumento dos índices de
obesidade, do consumo de tabaco e álcool, do sedentarismo e da manutenção de dietas
pobres em vegetais.


Assim, o INCA traçou estimativas sobre os novos casos de câncer, segmentado por tipo e
gênero, para o período especificado na pesquisa. “Depois do câncer de pele não melanoma
(177 mil casos novos), os mais incidentes serão os de mama e de próstata (66 mil cada), cólon
e reto (41 mil), pulmão (30 mil) e estômago (21 mil). Separados por sexo, os mais frequentes
nos homens, excluindo-se pele não melanoma, serão próstata (29,2%), cólon e reto (9,1%),
pulmão (7,9%), estômago (5,9%) e cavidade oral (5,0%). Nas mulheres, também sem contar o
não melanoma, os mais incidentes serão os de mama (29,7%), cólon e reto (9,2%), colo do
útero (7,4%), pulmão (5,6%) e tireoide (5,4%)”, detalha o relatório.


Para o câncer infanto-juvenil (de 0 a 19 anos), estudos nacionais e internacionais demonstram
que essa categoria equivale a 3% do total dos casos novos de câncer, descontando-se os de
pele não melanoma. A diretora-geral do INCA, Ana Cristina Pinho, explica que os avanços, além
dos maus hábitos adquiridos no período de isolamento social, também são resultado da atual
condição socioeconômica. “Quanto mais a população se desenvolve, mais cresce a expectativa
de vida e aumenta o número de casos de câncer ligados ao envelhecimento, à urbanização e à
industrialização, como os de mama e próstata. Já nas populações com menor índice de
desenvolvimento, os cânceres mais frequentes são os do colo do útero, estômago e fígado”,
analisa.


Com todo o detalhamento sobre o futuro do câncer no Brasil, promovido pelo Instituto, fica o
questionamento sobre como o problema será resolvido nos próximos anos. Ações de
conscientização sobre a realização de exames e investimentos em tecnologia avançada já
estão sendo implementadas pela área oncológica de hospitais e clínicas, prevendo estes novos
parâmetros. E para auxiliá-los nessa tarefa, surge o empenho das healthtechs – startups
voltadas a resolverem os problemas do setor de saúde.


Com iniciativas de inovação, as helthtechs trazem novas soluções para um setor
extremamente delicado, como o da saúde, que vive em sobrecarga desde o início de 2020.
Estas empresas auxiliam o segmento promovendo mudanças no segmento. Assim, unem o
empreendedorismo à tecnologia, possibilitando o acesso ampliado a novos caminhos na cura
contra o câncer e a melhores tratamentos.


Ferramentas desenvolvidas para o monitoramento da doença e de pacientes impulsionam este
momento de união de esforços em busca de melhores condições de vida na área da oncologia.
No cenário de inovação tecnológica, o aplicativo Thummi mostra benefícios que vão ao
encontro desta visão de futuro, em que a o câncer precisa de instrumentos que promovem o
avanço nos cuidados e ofereçam indicadores que tornem o tratamento mais preciso e
assertivo. Como exemplo, o app permite o mapeamento da jornada do paciente, o
monitoramento remoto de todo o processo, a otimização dos registros dos eventos através de
um algoritmo médico, e reduz custos para operadoras de saúde e projetos específicos da
indústria farmacêutica.


Assim, a tecnologia tem promovido uma junção de potencialidades de mercado que pretende
trazer números mais otimistas para o futuro das pessoas com câncer.

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade