A menopausa e o câncer: entenda quais são os riscos

Compartilhe

A menopausa é um ciclo natural da vida da mulher que corresponde ao último período menstrual. Ocorre entre 45 e 55 anos, em geral, e vem seguida da parada permanente da menstruação. Nesse período ocorre diminuição de estrógeno, que é um hormônio produzido pelos ovários e responsável por controlar várias funções no corpo, como a saúde do sistema reprodutor feminino, dos ossos, do sistema cardiovascular e do cérebro.

A redução do estrógeno pode contribuir para alguns prejuízos à saúde feminina, como o surgimento de osteoporose, depressão, cistos na mama, pólipos no útero ou, até mesmo, o câncer, porque as alterações nos níveis de hormônio, características dessa fase da vida da mulher, facilitam o seu desenvolvimento ou instalação.

Alguns fatores acumulados a esta condição hormonal acabam contribuindo ainda mais para o desenvolvimento de doenças. É o caso da obesidade, que aumenta os riscos de câncer de mama nessa fase, mas também o índice de outros tumores não-ginecológicos. No entanto, a relação entre o peso e o risco da doença é complexa, pois estudos mostram que o risco tende a ser maior em mulheres que ganharam peso na idade adulta, e não para aquelas que sempre estiveram acima do peso desde a infância.

Ou seja, além das alterações hormonais, observa-se a existência de outras condições que afetam a saúde das mulheres. Por isso, hábitos de vida saudáveis são essenciais no combate ao câncer, como boa alimentação, atividade física, não fumar, não ingestão de álcool em excesso e o uso de preservativo nas relações sexuais são grandes aliados na prevenção dos mais variados tipos de câncer.

Veja quais são as neoplasias mais comuns durante a menopausa:

Câncer de endométrio

É o mais frequente entre os tumores de corpo de útero. Ocupa o oitavo lugar no ranking entre os cânceres mais incidentes para mulheres, com 6.540 novos casos em 2020, segundo o INCA. Pode ocorrer na menopausa, principalmente em casos tardios, e geralmente é detectado em estágio inicial porque sintomas como sangramento vaginal ou dor pélvica são os primeiros sinais.

Câncer de ovário

Esta é a segunda neoplasia ginecológica mais comum entre as mulheres. A idade tardia na menopausa, após os 55 anos, pode estar associada ao maior risco dessa doença. Já o risco de câncer de ovário com terapia hormonal pós-menopausa aparenta ser pequeno.

Câncer de mama

Diversos sãos os motivos relacionados ao aumento do risco, como idade e fatores endócrinos, reprodutivos, comportamentais, ambientais, hereditários e genéticos. A menopausa tardia e a terapia de reposição hormonal pós-menopausa (estrogênio-progesterona) demonstram ser alguns dos complicadores mais presentes.

Câncer de pulmão

Estudo recentes da Sociedade Europeia de Medicina Oncológica traçam um paralelo entre este tipo de câncer e a menopausa, sugerindo que um maior tempo de exposição ao estrogênio, com o aparecimento posterior da menopausa, pode promover a transformação das células pulmonares ou o crescimento e disseminação de tumores pulmonares primários subclínicos existentes.

Câncer do sistema digestivo

O mesmo estudo desenvolvido em Madrid aponta que mulheres com acúmulo de gordura abdominal, somado à menopausa, têm desenvolvido maior número de tumores no sistema digestório. Ainda, especialistas relatam que o estrogênio ajuda a manter o hormônio do estresse cortisol sob controle. Mas quando o estrogênio fica baixo, o cortisol aumenta, afetando o sistema digestório.

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade