Qual a relação entre estresse e câncer

Compartilhe

O estresse é uma reação natural do organismo diante de circunstâncias súbitas ou ameaçadoras. Essas situações cotidianas ativam a liberação de hormônios como adrenalina e cortisol, deixando o indivíduo em estado de alerta e provocando aceleração da respiração e dos batimentos cardíacos, dentre outros sintomas. Com relação ao câncer, o estresse não é capaz de causá-lo, mas pode contribuir para a disseminação da doença a longo prazo.

O estresse que ocorre no cotidiano, em momentos pontuais, é chamado de eustresse e tem o poder de motivar ações de superação frente às adversidades e, assim, ser visto de forma positiva. No entanto, quando situações estressantes se prolongam por mais tempo e a há dificuldade de lidar com elas, surge o distresse, causando diversos prejuízos. Segundo estudo publicado na Revista Nature, uma das mais conceituadas na área científica, publicada no Reino Unido, o distresse crônico está relacionado com um pior prognóstico do câncer.

Especialistas explicam que este tipo de estresse nocivo pode afetar o sistema linfático, facilitando a disseminação das células cancerosas, impactando no crescimento de tumores já existentes e na formação de metástases. Assim, o estresse não é considerado um fator de risco para o aparecimento do câncer, mas pode causar a progressão da doença. Tudo depende da forma como as adversidades são encaradas. A publicação detalha que se o indivíduo consegue resolver suas problemáticas e não carregar a carrega-las ao longo do tempo, o estresse não influenciará no câncer. Por outro lado, se o estresse perdurar, pode piorar o diagnóstico.

Como o estresse tem relação direta com o funcionamento do sistema linfático, os principais tipos de câncer que podem ser impactados são o linfoma e os tumores de mama e próstata. Assim, pessoas que têm tendência ao estresse crônico, principalmente aquelas já diagnosticas com neoplasia maligna, devem procurar práticas que amenizem os sintomas, como psicoterapia, mindfulness, meditação e atividades esportivas. Desta forma, será possível trabalhar de forma antecipada para que este contexto nocivo seja ressignificado e se aprenda a lidar com as ocasiões estressoras.

Também é importante ponderar que o próprio diagnóstico oncológico pode ser um gatilho para o estresse crônico. Por isso, é importante que tanto no centro de tratamento, quanto a família do paciente fiquem atentos. Caso perceba-se algum nível de vulnerabilidade desagregadora, recomenda-se buscar acompanhamento imediato para que a situação seja contornada de forma ágil e enfrentada mais positivamente. Nem sempre é fácil estar vulnerável e aceitar suporte social e emocional. Mas é importante lembrar que não se vence um o câncer sozinho e que há diversas alternativas para tornar este caminho mais ameno e acessível, sem estresse.

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade